sábado, 13 de julho de 2013

A Cartomante

Eu era jovem demais e ela não queria ler o meu destino. Dizia que era muito perigoso para uma criança saber tanto sobre o seu futuro. Acredito que ela ainda não vislumbrava os meus horizontes, pois ainda não traçara um caminho próprio na vida.

A cartomante nunca cobrou pelas consultas feitas na sala de estar, nem pelos cafezinhos servidos à clientela na cozinha ou as simpatias feitas sob a luz do luar no quintal. O cheiro das plantas com as quais preparava seus banhos continua na memória e os patuás que costurava com tanto cuidado jazem em alguma caixa perdida no guarda-roupa.

Quando cresci, na adolescência, continuava a pedir que ela lesse o meu destino naquele baralho comum, mas nunca fez a leitura comigo tão a sério quanto aos outros. Dizia, com sua voz rouca, que via um rapaz louro na minha vida... Ele nunca apareceu e essa descrição era mais uma das suas brincadeiras sobre o meu futuro.

Agora, depois de tanto tempo, percebo que é melhor não saber demais sobre o futuro, ele é apenas uma tela em branco onde projetamos o mundo como gostaríamos que fosse. O amor nos moldes desejados, a solução dos nossos dilemas, a paz em meio ao caos. O futuro é como uma ilusão que apenas o presente pode tornar real.

O futuro está no hoje.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...