terça-feira, 20 de agosto de 2013

O Guarda-Roupa - Capítulo 6 - A “boa ação” de Mário

No dia seguinte, Dora havia voltado de viagem. Surpresa por não ver o guarda-roupa desmontado na garagem, perguntou a Mário o que havia acontecido. Mário foi criativo demais ao inventar a estória.

Contou que dias depois da viagem ele foi ao bar, ficou conversando com alguns amigos, quando um deles fez um comentário emocionante:
- Sabe o Albino? Ele tá precisando de um guarda-roupa, mas não pode comprar, tá desempregado há uns nove meses.

O “bondoso” Mário ficou comovido com a situação de Albino. O homem morava com a família em uma favela, um barraco de cinco por cinco metros, desempregado, não podia nem guardar a roupa lavada, o esgoto correndo ao lado do tanque, situação triste.

Mário decidiu dar o guarda-roupa que estava desmontado na garagem de casa, chamou um amigo e foram buscar a doação. Colocam o guarda-roupa no carro e seguem até a favela Maria Fumaça onde mora Albino. Sobem as escadas irregulares e desembocam na porta do barraco. Batem na porta de madeira apodrecida, a esposa atende, os cinco filhos dormindo no chão frio e Albino, surpreendem-no chorando com as mãos no rosto enrugado, marcado pela desigualdade. A família carente da favela que nunca teve onde guardar as roupas lavadas é agraciada com a boa ação de Mário, que até derramou algumas lágrimas e no final deu cem reais aos carentes.

Dora ficou tão emocionada com a estória que chorou. Mário consolou Dora, fingiu estar emocionado também e os dois se abraçaram ternamente. Mais uma vez Dora, sentimentalista, romântica e apaixonada, cedeu.

Mais tarde telefonou a irmã, qual não foi a surpresa desta ao descobrir o que havia acontecido.

Dora disse a Vilma que Mário havia feito uma boa ação, deu o guarda-roupa para um homem carente que mora na favela. parecia constrangida ao telefone e muito sem graça desejou parabéns pelo aniversário a irmã. Vilma não acreditou, mas pensou que deveria ficar conformada, afinal, nada mais poderia fazer.

No outro dia ligou cancelando o carreto, sem imaginar que o carreteiro devia a Paulo, seu ex-amante, que comprou o guarda-roupa de Mário, seu “cunhado”.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...